Falando perfumês: verde, grama cortada, folha amassada

Um pé de gálbano (Foto Marie-Hélène Cingal)

Um pé de gálbano (Foto Marie-Hélène Cingal)

A linguagem para falar de cheiro é tão precária que o tempo todo se empresta palavra do tato e da visão para enriquecer as descrições. Quando você ler o adjetivo verde para se referir a algum perfume é para dizer cheiro de grama cortada ou folha amassada. Algumas lojas vendem os ingredientes em separado, é um rolê que quero fazer e volto para reportar aqui no site. Mas quando não se tem a matéria prima separada o melhor jeito de identificar é comparando dois perfumes lado a lado e, na sua cabeça, isolar o elemento comum.

É um efeito bem claro no Chanel Cristalle, espirre na fita e compare com o No. 19, também Chanel. Esse verde, um cheiro úmido de folha esmagada ou de caule cortado, é dado pela extração de uma planta chamada gálbano. A imagem que vem na minha cabeça é de um polígono verde brilhante, molhado, com borda definida, quase uma esmeralda de cheiro — mas se imagem que te surge é outra, melhor ficar com a sua, para fixar na memória. Em termos de sensação esse verdor é um jeito de falar em frescor, menos elétrico e mais durável que os cítricos. Um exemplo mais moderno é Dahlia Noir L’Eau, um chypre verde com a textura picante do patchouli. A Scent by Issey Miyake e Baiser Volé também tem uma nota verde bem marcada.

Não confundir (pela cor) esse verde com herbal. Herbal é amargo, seco e canforado, como lavanda, parte fundamental dos fougères, ou como a mirra, comum nas composições com incenso, como Incense Avignon ou La Myrrhe.

  • Olá Dênis, tenho a impressão que não deveria perguntar nesse post, mas como a minha dúvida está relacionada à mato, árvore & afins talvez não esteja de todo errado. Bom, a pergunta é meio estranha. Estou procurando incansavelmente algo que reproduza o perfume da árvore da felicidade. Sabe qual é? Acredito que ela exale o cheiro ao final da tarde (ou talvez seja mais uma loucura do meu nariz). Algo herbáceo, queimado, seco, fechado e um Q de especiarias…talvez curry. Quando puder cheirar uma árvore da felicidade, me diga o que achou. E, se puder me ajudar na procura desse perfume, agradeço 🙂
    Abraço,
    Marcelo

    • haha! que história legal, marcelo. tenho uma árvore da felicidade aqui em casa que ganhei quando nasci, conheço bem esse cheiro. agora, para achar… não conheço nada igual, mas acaba de me ocorrer que immortelle, uma flor amarela, tem descritivos parecidos, inclusive o curry e o tostado. Um perfume em que isso é bem evidente é Eau Noire, da coleção exclusiva da Dior, que vc vai encontrar no exterior. Do que eu conheço acho que é o que chega mais perto. Annick Goutal Sables tbm usa a matéria prima, mas esse nunca cheirei. me conta suas impressões quando achar. adorei a brincadeira.

      • Olá Dênis! Obrigado pelas dicas! Sim!! O Sables me remete a esse perfume da árvore. Tive uma amostrinha dele. Aliás, gosto muito de Annick Goutal. Não conheço esse Dior…procurarei em breve.
        Abraço 🙂

  • Pingback: Falando perfumês: madeiras e o vetiver | 1 nariz | é sobre perfumes()

  • Pingback: Batalha de Colônias round 4: Eau de Cartier | 1 nariz | blog sobre perfumes e resenhas()

  • Roberto Lopes

    Olá
    Encontrei essa pag pq estou ha mt tempo procurando por um perfume que seja parecido com o axe vert alguem pode me ajudar ?